ALERTA AOS PAIS – Menina morre após fazer ‘desafio da rasteira’ na escola; vídeo de ação é chocante

A brincadeira vem acontecendo, principalmente, em colégios, que devem alertar aos alunos sobre os riscos do ‘desafio da rasteira’. Os pais das crianças e adolescentes também devem orientar seus filhos para que não façam ou participem deste tipo de gincana.

Por jurandanews em fevereiro 13, 2020
Fotomontagem: Bruno Avila / Arquivo Pessoal / Pleno News

O ‘desafio da rasteira’ está se popularizando entre os jovens. Assim como outros desafios perigosos, este apresenta o risco de queda e possível lesão da eventual vítima. Trata-se de duas pessoas, que chamam uma vítima para saltar, e esta é covardemente derrubada.

Acontece que, ao cair, na posição em que acontece, a vítima fica totalmente propensa a bater sua cabeça no chão. Ao menos foi isso que aconteceu com Emanuela Medeiros, de 16 anos, que fatalmente morreu na Escola Municipal Antônio Fagundes, em Mossoró, no Rio Grande do Norte (RN).

Por mais que a morte da jovem tenha viralizado somente agora, o caso aconteceu em novembro do ano passado, com o mesmo ‘desafio da rasteira’. Na época, Emanuele foi chamada por amigos para a brincadeira, caiu e bateu cabeça.

Foi constatado um traumatismo craniano na jovem, que, logo depois do acidente, teria sido socorrida pela direção do colégio e levada ao Hospital Regional Tarcísio. O socorro imediato não foi o suficiente para salvar a vida da jovem, que morreu em seguida.

Um vídeo na Internet mostra como as pessoas podem se ferirem gravemente com esta brincadeira. Dois homens adultos chamam um terceiro e pedem para que ele pule. A vítima leva uma ‘rasteira’ dos dois lados, cai, bate a cabeça e fica desacordada.

A brincadeira vem acontecendo, principalmente, em colégios, que devem alertar aos alunos sobre os riscos do ‘desafio da rasteira’. Os pais das crianças e adolescentes também devem orientar seus filhos para que não façam ou participem deste tipo de gincana.

OUTRO VÍDEO:  Desafio da rasteira preocupa pais e acende alerta nas escolas

Um novo vídeo toma conta das redes sociais: o desafio da rasteira. Três meninos pulam ao mesmo tempo e o que está no meio cai e bate a cabeça no chão. As imagens viralizaram, tomaram conta dos grupos de Whatsapp e têm preocupado muitos pais.

O desafio também foi divulgado no Tik Tok, uma rede social focada mais no público infantil e adolescente. Em uma brincadeira parecida, uma adolescente de 16 anos morreu ao bater a cabeça no chão no ano passado.

“A família deve orientar as crianças sobre esse tipo de brincadeira, alertar para os riscos da queda e os perigos dos desafios que são divulgados nas redes sociais”, orienta a psicopedagoga Patricia Marques. “O próprio Tik Tok tem um espaço para que os pais comentem e apontem problemas.”

Para Patricia, os pais devem acompanhar de perto o que os filhos estão vendo nas redes. “É importante saber quais são os vídeos mais vistos, quem eles seguem e quais são as séries do momento, sempre tem uma ‘modinha’ e é preciso sentar e conversar.”

A escola também tem a responsabilidade de alertar pais e alunos sobre os perigos desses desafios, mas também deve, na avaliação de Patricia, orientar os funcionários. “Eles precisam saber identificar esse tipo de brincadeira para conversar com as crianças”, diz.

Mas nada substitui o diálogo e a presença da família na vida dos pequenos. “As crianças brincam no prédio, na quadra e nem sempre tem um adulto por perto, é preciso manter o diálogo para que elas estejam conscientes dos riscos que estão na internet.”

Fonte: 1News e R7

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta