Ministério da Saúde confirma 6 casos do novo coronavírus no Paraná. OMS declara pandemia de coronavírus

Cinco pessoas residem em Curitiba e uma em Cianorte, na Região Noroeste. A informação foi confirmada nesta quinta-feira (12) pelo secretário estadual da Saúde Beto Preto, em entrevista coletiva. Ele afirmou que o Paraná está preparado para ações de retaguarda.

Por jurandanews em março 12, 2020

Estrutura da família coronavírus tem forma de coroa (Foto: Getty Images via BBC)

O Ministério da Saúde confirmou nesta quinta-feira (12) seis casos do novo coronavírus no Paraná. De acordo com o Ministério da Saúde, há 46 casos suspeitos sendo investigados no estado. Vinte e sete já foram descartados.

Até o momento, não foram informadas em quais cidades estão os pacientes que tiveram o novo coronavírus confirmado.

No fim desta manhã, a Secretaria da Saúde do Estado do Paraná (Sesa) vai dar uma coletiva de imprensa para apresentar os dados e informações sobre os casos em investigação do coronavírus no estado.

Brasil
Em todo o país, são 60 casos confirmados na doença. A última atualização dos dados do Ministério da Saúde foi feita às 10h15. Nenhuma morte causada pelo novo coronavírus foi registrada no Brasil.

Entre os 60 casos confirmados pelo Ministério da Saúde, não estão os 16 casos diagnosticados na noite de quarta-feira (11) no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Confira os casos confirmados pelo Ministério da Saúde por estado:

São Paulo: 30
Rio de Janeiro: 13
Paraná: 6 (05 em Curitiba e 01 em Cianorte)
Rio Grande do Sul: 4
Bahia: 2
Distrito Federal: 2
Minas Gerais: 1
Espírito Santo: 1
Alagoas: 1

Saúde confirma seis casos de coronavírus no Paraná

O secretário de Estado da Saúde Beto Preto informou nesta quinta-feira (12), durante entrevista coletiva, que o Paraná tem seis casos de coronavírus confirmados. Cinco pessoas residem em Curitiba e uma em Cianorte, na Região Noroeste. Todos os casos são importados, ou seja, em que os pacientes foram contaminados durante viagem ao Exterior. A secretária municipal de Saúde da Capital, Márcia Huçulak, também participou da divulgação para a imprensa.

O secretário alertou que o momento é de intensificação das medidas de prevenção. “O Estado está preparado para este enfrentamento. Seguimos as medidas de contenção e de prevenção estabelecidas pelo Ministério da Saúde e contamos com o apoio das secretarias municipais, que é fundamental”.

Ele salientou ainda que não há motivo para pânico. “O que devemos é ressaltar as medidas preventivas e tranquilizar os parananenses quanto à estrutura de saúde organizada no Estado”.

Desde o registro dos primeiros casos da doença na China, o Paraná já iniciou a implantação de medidas de contenção. Foi um dos primeiros estados do País a instalar o Centro de Operações de Emergências (COE) e a definir o Plano de Contingências, disponível no site da Secretaria de Esta do da Saúde.

CASOS – Os casos confirmados pelo Laboratório Central do Paraná (Lacen) são: pai e filha, de 54 anos e 25 anos, residentes em Curitiba, que passaram pela Espanha, Portugal, Holanda, Madri e Lisboa; pai e filho, de 43 e 15 anos, também de Curitiba, que estiveram na Itália; um homem de 58 anos, de Curitiba, que visitou a Itália, e uma mulher de Cianorte, de 47 anos, que esteve nos Emirados Árabes.

O Lacen iniciou os exames confirmatórios ainda na noite de ontem. Os técnicos do laboratório fizeram uma grande força-tarefa para a conclusão das análises.

O Lacen passa a realizar os exames do coronavírus, como instituição referência do Ministério da Saúde, utilizando as técnicas e kits padronizados pelo governo federal. A princípio, o Estado recebeu 10 kits para exames específicos do coronavírus, que possibilitam 240 testes. Para a divulgação de resultados, o Lacen estabelece o período de 48 horas a partir da chegada das amostras no laboratório.

REDE – O Estado está estruturado com rede hospitalar formada por dez hospitais habilitados pelo Ministério da Saúde: Complexo Hospitalar do Trabalhador (Curitiba), Hospital Regional do Litoral (Paranaguá), Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais (Ponta Grossa), Hospital Municipal Padre Germano Lauck (Foz do Iguaçu), Hospital Universitário do Oeste do Paraná (Cascavel), Hospital Regional do Sudoeste Walter Alberto Pecoits (Francisco Beltrão), Hospital Universitário Regional de Maringá (Maringá), Uopeccan (Umuarama), Hospital Universitário da Região Norte do Paraná (Londrina) e Instituto Lucena Sanchez (Ivaiporã).

Além destas instituições, o Paraná conta com toda a rede de hospitais para urgência e emergência, com leitos de UTI.

COMO AGIR – A principal recomendação para as pessoas com sintomas respiratórios é buscar o primeiro atendimento nas unidades básicas de saúde. “Os profissionais que atuam nesta linha de frente estão preparados para receber este paciente, passar as orientações, fazer o diagnóstico inicial e o encaminhamento para exames laboratoriais”, informou o secretário da Saúde Beto Preto.

O Paraná também conta com um sistema de Vigilância de Síndromes Respiratórias considerado modelo pelo Ministério da Saúde, com 51 unidades sentinelas, distribuídas em todas as regiões, e que atuam no registro, identificação e confirmações de casos suspeitos durante o ano todo.

EVENTOS PÚBLICOS – Em alinhamento com o Ministério da Saúde, a secretaria estadual, por meio do Centro de Operações em Emergências, informa que até o momento não há orientação para cancelamento de atividades coletivas e eventos públicos. No entanto, as medidas de contenção estão sendo analisadas diariamente pelo ministério e o COE estadual, sempre avaliando evidências de efetividade para cada cenário.

É recomendado evitar aglomerações, especialmente para grupos de maior risco, como idosos e pessoas portadoras de comorbidades, além das demais medidas já divulgadas, como a higienização das mãos, cobrir o nariz ao espirrar e tossir e usar lenços descartáveis. Outra orientação é o isolamento domiciliar em caso de suspeita da doença.

DUVIDAS – Quem tiver dúvidas referentes ao coronavírus pode entrar em contato com a Ouvidoria dos SUS (0800 644 4414). Os profissionais da área de saúde devem ligar para (41) 99117-3500, número exclusivo para esse público.

HISTÓRICO – O primeiro caso suspeito de coronavírus no Paraná foi registrado em 28 de janeiro e mas foi descartado. Desde 24 de janeiro, a Secretaria de Estado da Saúde já havia iniciado a adoção de medidas preventivas para a contenção do vírus.

OMS declara pandemia de coronavírus
Diretor-geral da OMS declara pandemia por coronavírus — Foto: Fabrice Coffrini/AFP

A Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou nesta quarta-feira (11) a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2). Segundo o órgão, o número de pacientes infectados, de mortes e de países atingidos deve aumentar nos próximos dias e semanas. Apesar disso, os diretores ressaltaram que a declaração não muda as orientações, e que os governos devem manter o foco na contenção da circulação do vírus.

O ministro da Saúde do Brasil, Luiz Henrique Mandetta, afirmou que a declaração de pandemia não muda a situação do país (veja detalhes mais abaixo nesta reportagem).

Na prática, o termo pandemia se refere ao momento em que uma doença já está espalhada por diversos continentes com transmissão sustentada entre as pessoas. Na quarta, o Portal G1 mostrou que cresceu o ritmo de disseminação do vírus e que metade dos países atingidos registraram os primeiros casos de Covid-19 nos últimos dez dias.

Nas últimas duas semanas, segundo a OMS, o número de casos fora da China aumentou 13 vezes e o número de países afetados triplicou. São mais de 118 mil casos ao redor do mundo e 4.291 mortes.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva nesta sexta-feira (21). — Foto: Reprodução/Twitter WHO

“A descrição da situação como uma pandemia não altera a avaliação da OMS da ameaça representada por esse vírus. Isso não muda o que a OMS está fazendo nem o que os países devem fazer” – Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS

Também o diretor-executivo do programa de emergências da OMS, Michael Ryan, ressaltou que a declaração não significa que a OMS vá adotar novas recomendações no combate ao vírus.

Michael Ryan, diretor-executivo do programa de emergências da Organização Mundial da Saúde (OMS) — Foto: Christopher Black/OMS

“A declaração de uma pandemia não é como a de uma emergência internacional – é uma caracterização ou descrição de uma situação, não é uma mudança na situação. (…) Não é hora para os países seguirem apenas para a mitigação” – Michael Ryan, diretor-executivo do programa de emergências da OMS

Mitigação é a estratégia de saúde pública que busca sobretudo cuidar dos doentes e públicos prioritários. Como afirmaram os diretores, a OMS ainda acredita que a contenção da circulação do vírus precisa ser buscada por todos os países e é apontada como pilar das ações.

Declaração não muda nada para o Brasil, diz ministro da Saúde

Nesta tarde, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que a declaração de pandemia já era esperada e que ela, na prática, não muda nada para o Brasil. Ele retomou uma crítica que já tinha feito antes à OMS, afirmando que o órgão demorou para usar essa definição.

“Acho que a OMS demorou para decretar pandemia. Lá atrás, nós já tínhamos decretado emergência sanitária de interesse nacional”, disse Mandetta.

“Nós já temos casos confirmados dentro do país, temos transmissão local, não temos ainda transmissão sustentada – que pode ser a próxima etapa. E a cada etapa temos medidas adicionais que vão sendo decretadas”, acrescentou o ministro da Saúde.

Antes da declaração da pandemia, a definição de casos suspeitos usada no Brasil excluía viajantes que retornavam da África e Américas do Sul. Agora, segundo Mandetta, serão investigados como possíveis casos suspeitos pessoas que voltarem de qualquer viagem ao exterior e apresentarem febre e mais um sintoma (dificuldade respiratória, dor no corpo e/ou tosse).

Desistir é um erro, diz OMS

Os diretores da OMS ressaltaram ao longo das suas exposições que o quadro da circulação do novo coronavírus mostra que ainda é possível diminuir seus impactos e disseminação.

“Quando dizemos que a situação é de pandemia, não estamos dizendo que o mundo deve sair da contenção para a mitigação. Não estamos”, ressaltou Tedros. “Seria um erro abandonar a estratégia de contenção”.

Ele lembrou que 81 países não têm casos de Covid-19. “Eles devem fazer o máximo para evitar qualquer caso importado”, pediu.

Outros 57 países, disse Tedros, têm até 10 casos, e 90% das infecções do mundo vêm de 4 países: além da China, a Itália, o Irã e a Coreia do Sul têm as maiores quantidades de casos de Covid-19.

“Esse é o primeiro coronavírus a ser chamado de pandemia, mas também acreditamos que será o primeiro a ser contido ou controlado”, afirmou o diretor-geral da OMS.

O diretor de programas de emergência da entidade, Michael Ryan, lembrou de países como China, Singapura e Coreia do Sul como bons exemplos de lugares que conseguiram frear a disseminação do vírus, e reiterou a necessidade de tentar contê-lo.

“Não significa que vamos pará-lo completamente – o que significa é que existe uma chance real de de abaixar a curva [de transmissão] e reduzir o número de casos que o nosso sistema de saúde tem que administrar – e dar a ele a chance de salvar mais vidas”, disse Ryan.

Ele também alertou para o risco a ser evitado com o uso da palavra pandemia: as pessoas não devem usar a declaração como desculpa para desistir do combate e de tentativas de conter a circulação do vírus.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em coletiva nesta segunda-feira (9). — Foto: Fabrice Coffrini / AFP

“Pandemia não é uma palavra para ser usada de maneira leviana ou descuidada. É uma palavra que, se mal utilizada, pode causar medo irracional ou aceitação injustificada de que a luta acabou, levando a sofrimento e morte desnecessários” – Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS

Ryan criticou questionamentos sobre o custo de traçar os contatos que os pacientes diagnosticados tiveram.

“Traçar contatos não é caro, é uma intervenção muito básica de saúde pública. Envolve interromper a vida de uma proporção pequena da população – em termos de quarentena, isolamento de casos. E é muito duro para essas famílias individuais. Mas, por favor, me digam se isso é mais ou menos caro que medidas de distanciamento social que incluem bloquear áreas inteiras, cancelar todos os eventos esportivosreligiososfechar escolas. O que é mais caro?”, questionou.

“Se não tentar suprimir, pode sobrecarregar o sistema de saúde. Tem que haver esforços para frear a disseminação da infecção”, acrescentou Ryan.

Focos de ação dos países

De acordo com Tedros, os países precisam preparar respostas em áreas chaves: detectar, proteger, tratar, reduzir a transmissão, inovar e aprender.

Perguntado pelos jornalistas se há recomendação para fechar escolas e fronteiras, o diretor-executivo do programa de emergências da OMS, Michael Ryan, avaliou que essas decisões têm sido tomadas com base na avaliação de risco dos países.

De acordo com ele, países com número menor de casos não alcançarão grande impacto com medidas de isolamento social.

Artigos Relacionados

Deixe uma resposta