Eliminados gafanhotos com nova aplicação de inseticida

Os insetos estão localizados próximos à fronteira entre Argentina e Uruguai, a 100 quilômetros do município de Barra do Quaraí, no Rio Grande do Sul. Parte da praga foi controlada e o resto deve ficar no local, a 100 km do Brasil.

Por jurandanews em julho 24, 2020
Imagem: Senasa Argentina

Agricultores argentinos estão controlando com pulverizações de inseticidas as nuvens de gafanhotos presentes na província de Entre Rios, informa o Sindag (Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola). Os insetos estão localizados próximos à fronteira entre Argentina e Uruguai, a 100 quilômetros do município de Barra do Quaraí, no Rio Grande do Sul.

“Produtores rurais locais fizeram pulverizações com tratores contra os insetos, depois de, pelo segundo dia consecutivo, o tempo não permitir aplicações aéreas. Com isso, parte da nuvem foi eliminada e o resto deve ficar no local porque a sexta-feira será de frio e chuva. Com isso, está programada uma pulverização aérea para o sábado. Já no norte da Argentina técnicos seguem monitorando uma segunda nuvem na província do Chaco. E há uma terceira nuvem no Paraguai”, informou o Sindag ao Agrolink.

As pulverizações terrestres eliminaram nessa quinta-feira (23.07) parte da nuvem de gafanhotos pousada no município de Federación (Entre Rios). Os insetos estão sendo monitorados por técnicos do Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa).

A expectativa agora é de que os insetos remanescentes permaneçam na área, com a possibilidade de uma nova aplicação terrestre, em complemento ao trabalho aéreo programado para o próximo sábado. A região é zona de produção de frutas cítricas e de florestas comerciais.

3 NUVENS

“Paralelo à ação em Entre Rios, outras equipes do Senasa seguem monitorando uma segunda nuvem de gafanhotos que atualmente circula na região entre as províncias argentinas de Formosa e Chaco, no norte do país. E, segundo confirmou nesta quarta o chefe do Programa Nacional de Gafanhotos e Ticuras da Argentina, Hector Emílio Medina, há ainda uma terceira nuvem circulando no Paraguai”, acrescenta o Sindag.

Enquanto a situação não se resolve na Argentina, segue o Sindicato, segue o risco dos insetos entrarem no Uruguai e dali chegarem ao Rio Grande do Sul. Ou simplesmente subirem linha de fronteira até o município gaúcho de Barra do Quaraí. A Secretaria da Agricultura do RS deve publicar nesta sexta a portaria estabelecendo o “Plano Estadual de Controle de Gafanhotos”.

O documento é complementar à Portaria do Mapa. “Temos definidas as regiões cobertas pelos aviões do Sindag e relacionados os fornecedores que têm os produtos definidos pelo Ministério da Agricultura contra gafanhotos”, destaca o secretário de Agricultura gaúcho, Covatti Filho. Além disso, o Estado teve confirmado na quarta-feira (22), o repasse de R$ 600 mil do Mapa, para as despesas as ações contra gafanhotos, caso os insetos ainda cheguem ao Estado.

Artigos Relacionados